BRASIL

Câmara aprova MP que libera R$ 1,2 bilhão para agricultores

Publicado em

BRASIL [email protected]

© Roque de Sá/Agência Senado/Direitos

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira uma medida provisória que libera R$ 1,2 bilhão para o programa Agropecuária Sustentável. O objetivo é compensar perdas de agricultores familiares atingidos pela seca nos estados de Mato Grosso do Sul, do Paraná, do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. O texto segue para análise do Senado.

Os recursos serão destinados a produtores rurais de municípios destes quatro estados que decretaram emergência ou estado de calamidade. O dinheiro será aplicado no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). A condição para os agricultores receberam os recursos é não estarem cobertor pelo Proagro ou pelo Seguro Rural.

De acordo com o Ministério da Economia, os níveis de chuva na safra 2021/2022 ficaram abaixo da média histórica. O Poder Executivo vai conceder descontos de até 58,5% nas parcelas de financiamentos contratados pelos agricultores no âmbito do Pronaf, com vencimento entre 1º de janeiro e 30 de junho.

O crédito extraordinário não será sujeito ao teto de gasto, segundo informou o Ministério da Economia.

Leia Também:  Conselho de Ética da Câmara instaura processos contra nove deputados

* Com informações da Agência Câmara de Notícias
 

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Política Nacional

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

BRASIL

Polícia investiga envolvimento de mais pessoas em golpe de R$ 725 mi

Publicados

em

Delegado Gilberto da Cruz Ribeiro, da Deapti, segura a obra recuperada Sol Poente, de Tarsila do Amaral
Márcia Foletto – 13.08.2022

Delegado Gilberto da Cruz Ribeiro, da Deapti, segura a obra recuperada Sol Poente, de Tarsila do Amaral

Com o desbaratino de uma  quadrilha de falsas videntes que deu um golpe de R$ 725 milhões na viúva do colecionador de obra de arte Jean Boghici , morto em 2015, agora a Delegacia Especial de Atendimento à Pessoa da Terceira Idade (Deapti) vai ampliar o leque da investigação e vai apurar se outras pessoas estariam participam do golpe contra a idosa de 82 anos.

Entre os investigados está o galerista Ricardo Camargo. Foi ele que adquiriu cinco obras da atriz Sabine Coll Boghici, que também é filha de Boghici, e que foi presa. Duas das peças foram revendidas para a coleção privada do argentino Eduardo Costantini, fundador do Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires (Malba). 

“Existem outras pessoas que a gente tem que dar uma apurada (na investigação), uma aprofundada, agora após recuperamos as obras de arte e prendemos grande parte desse grupo criminoso. Vamos afunilar a investigação contra pessoas que se beneficiaram de forma periférica”, conta o delegado Gilberto da Cruz Ribeiro, titular da Deapti.

Leia Também:  Governo Federal incentiva a produção e uso sustentável do biometano

Entre os alvos está o galerista Ricardo Camargo. Ele, segundo a polícia, estaria tentando atrapalhar as investigações.  

“Ele (Ricardo Camargo) está com uma postura muito defensiva. Ele não tem manifestado uma boa vontade para com a investigação. Esse galerista tem procurado dificultar como pode a investigação. (Se continuar assim) Ele pode responder a processo. Evidente que a postura dele não é uma postura de quem tem boa fé. Mas, a gente, por ora, optamos por aceitar a venda desses quadros roubados, num primeiro momento, como um erro de avaliação. Vou acreditar nessa boa-fé, desde que ele colabore. Pois se ele não colaborar, dá a um entendimento de que ele tem, na verdade, uma participação na venda de quadros roubados”, explicou Cruz Ribeiro.  

Ao todo, 16 quadros foram desviados da coleção de Boghici. Entre as peças alvos da operação, haviam pinturas de Tarsila do Amaral, Cícero Dias e Di Cavalcanti.  

De acordo com a polícia, 11 foram encontrados na casa da vidente Rosa Stanesco Nicolau, conhecida como mãe Valéria de Oxóssi, embaixo de uma cama de casal. A cartomante é casada com Sabine. Os outros cinco foram vendidos para a galeria de Camargo, em São Paulo.  

Leia Também:  Governo federal inaugura trecho de 17 km da BR-153 em São Paulo

Foi a própria vítima, segundo o titular da Deapti, que recebeu a informação de que as obras estavam nessa galeria, e a polícia conseguiu recuperar três telas diretamente com a empresa: “O Sono”, de Tarsila do Amaral; “O Menino”, de Alberto Guingnard, e “Mascaradas”, de Di Cavalcanti.

O “Elevador Social”, de Rubens Gerchman, e “Maquete para Meu Espelho”, de Antônio Dias, são os dois quadros que faltam ainda serem recuperados pela polícia. Eles foram revendidos para o empresário dono do Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires (Malba). Os investigadores vão tentar reavê-las.  

Em nota, Ricardo Camargo afirmou que “segue colaborando com as investigações” e que “em atenção ao seu dever de sigilo profissional, não comentará o caso no momento”.  

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PODERES

POLÍCIA

GERAL

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA