VARIEDADES

Luciano Hang processa vocalista da Fresno, que ironiza: ‘Emo voltou’

Publicado em

VARIEDADES [email protected]

source
Lucas Silveira foi processado pelo empresário
Reprodução/Montagem 18.05.2022

Lucas Silveira foi processado pelo empresário

Lucas Silveira, vocalista da banda Fresno, ironizou a notícia de que ele está sendo processado por Luciano Hang, dono da Havan. O empresário pede R$ 100 mil ao cantor por danos morais após uma publicação feita pelo músico em março deste ano. 

Ao compartilhar a notícia da coluna de Ancelmo Gois em “O Globo”, o cantor ironizou a situação: “Quer prova maior de que o emo voltou?”. 


Na mesma rede social, a deputada federal de São Paulo, Sâmia Bonfim (PSOL), prestou apoio ao cantor. “Toda minha solidariedade ao Lucas, vocalista da banda Fresno, que está sendo processado pelo Luciano Hang, o papagaio de pirata do Bolsonaro, por um tweet que fez nesta rede social. O Emo definitivamente voltou pra ficar e atazanar os bolsonaristas!”, afirmou. 

Leia Também:  Fernando abre coração sobre Maiara e aumenta rumores de reconciliação



Segundo a coluna, o proprietário da Havan recorreu à Justiça após uma publicação de Lucas no Twitter, em março. “O Luciano Hang, conhecido como ‘velho filha da p*ta da Havan’ é provavelmente o maior pau no c* da história desse país”. Veja:



Fonte: IG GENTE

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PODERES

Vice-prefeito de Cuiabá cita fato ‘estranho’ e pede Justiça; VEJA VÍDEO

Publicados

em

Foto: Veja Bem MT

O vice-prefeito de Cuiabá, José Roberto Stopa (PV), disse que espera que seja feita Justiça no caso da morte do agente Socioeducativo Alexandre Miyagawa, de 41 anos.

A fala foi feita na manhã desta segunda-feira (4) antes do evento de entrega de vans para Limpurb.

Stopa defendeu o desarmamento e disse achar estranho que uma outra pessoa em outra situação estaria detida.

Alexandre Miyagawa foi morto na última sexta-feira (1) após ser alvo de tiros disparados pelo vereador Tenente-coronel Marcos Paccola, no bairro Quilombo, na capital.

Paccola alegou legítima defesa, versão negada pela namorada do agente.

O vereador não foi preso porque se apresentou de forma espontânea na Delegacia para prestar esclarecimentos sobre o caso.

NOTA DO VEREADOR MARCOS PACCOLA

Em virtude da veiculação na mídia desde o ocorrido na noite do dia 01/07/2022, com diversas matérias e versões sobre uma situação envolvendo o Vereador por Cuiabá, Tenente Coronel Paccola e o Agente Socioeducativo Alexandre Miyagawa, o que se tem a informar no momento é que o Vereador Paccola estava em deslocamento para um compromisso, por volta das 19h30 (horário local), e, durante a conversão da Av. Presidente Artur Bernardes com a Avenida Senador Filinto Muller, no bairro Quilombo, se deparou com o trânsito parado e diversos populares se aglomerando nas proximidades do estabelecimento de esquina.

Diante da situação, como sempre fez em toda sua vida profissional, como oficial da reserva da Polícia Militar, no compromisso de SERVIR E PROTEGER MESMO COM O RISCO DA PRÓPRIA VIDA, desceu do veículo para verificar do que se tratava a situação, já que não havia a presença de nenhuma viatura ostensiva no local.

No primeiro momento, da posição de desembarque até o local que se aproximou na calçada, não avistou ninguém armado, e aparentemente, seria tão somente uma situação de discussão entre populares que se xingavam. Como não visualizou nada de grave, chegou a dizer ao seu Assessor que era só um desentendimento e que já estavam atrasados para o compromisso.

Leia Também:  Justin Bieber aparece em estúdo com rapper envolvido em polêmica

No entanto, após ter decidido sair do local, ouviu alguém que estava no meio da aglomeração gritando: “ELE ESTÁ ARMADO”, e logo em seguida ouviu um terceiro falando: “ELE VAI MATAR ELA”.

Neste o momento, o Vereador Tenente Coronel Paccola se virou e foi até a esquina para observar do que se tratava na rua do lado de fora da conveniência.

Ao chegar na esquina, somente quando visualizou o cidadão com uma arma em punho, atravessando a rua com uma mulher à sua frente, diante da cena de clara ameaça, se viu então obrigado a sacar a arma e verbalizou algumas vezes com o cidadão: “POLÍCIA, LARGA A ARMA”!

Infelizmente, ao invés de atender a ordem, o cidadão fez menção de virar com a arma em punho em direção ao Vereador Tenente Coronel Paccola, não restando outra opção, senão o de utilizar os meios necessários e proporcionais para o exercício da legítima defesa própria e de terceiros, com intuito de neutralizar a injusta agressão visualizada, efetuou os disparos que atingiram o Agente Socioeducativo Alexandre.

Em virtude da forte emoção e do comportamento instável da mulher após a intervenção, e considerando o risco de alguém pegar a arma de Alexandre, para segurança de todos que estavam no local, o Vereador Tenente Coronel Paccola determinou para seu Assessor que pegasse a arma no chão, que estava ao lado da mão direita de Alexandre.

Sendo assim, ficou visível nas fotos e vídeos somente o coldre rígido que estava em sua cintura, aparentando ser uma arma, como divulgado em alguns sites de notícia.

Leia Também:  Vocalista do Biquíni Cavadão pede ajuda para comprar remédio ao filho

Com a chegada da primeira equipe da Polícia, a arma de Alexandre com carregador e munições foi entregue ao policial, e ainda assim, a mulher tentou tomar a arma no coldre do Policial.

Após o ocorrido, o Vereador Tenente Coronel Paccola permaneceu no local e solicitou o acionamento da Polícia e do SAMU, bem como o isolamento do local para perícia.

Na sequência, deslocou-se até a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa para fazer sua apresentação espontânea ao Delegado de Polícia Judiciária Civil.

Sobre os relatos dos acontecimentos antes da intervenção do Vereador Paccola, relacionados à direção perigosa e ameaças contra populares que estavam na conveniência, ele só tomou conhecimento posteriormente.

Ressalta o Vereador Tenente Coronel Paccola que a mistura de álcool, direção e arma é potencialmente perigosa, e geralmente causa danos graves e irreversíveis.

A DHPP tomou todas as providências cabíveis acompanhando o trabalho dos peritos da POLITEC, e, na sequência, sob presença de 04 Delegados, realizaram a apreensão das armas e as oitivas de testemunhas, e também do Vereador Tenente Coronel Paccola.

Foi instaurado um Inquérito que irá investigar todas as causas e circunstâncias do ocorrido, que se deu diante de várias testemunhas e de câmeras existentes na região.

Por fim, neste momento, são duas famílias que estão abaladas, e o Vereador expressa seus mais sinceros sentimentos de pesar aos amigos e familiares que estão enlutados.

O Vereador Tenente Coronel Paccola também agradece o carinho e preocupação de todos que se manifestaram em apoio, compreendendo as circunstâncias dessa fatalidade, e reforça sua confiança no trabalho da Polícia, da Perícia e da Justiça.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

PODERES

POLÍCIA

GERAL

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA