ÚLTIMAS NOTÍCIAS

EDUARDO CARDOSO

O papa em Cuiabá

Publicado em

OPINIÃO [email protected]

O santo padre esteve em Cuiabá. João Paulo II, santo, posteriormente proclamado pela igreja católica, derramou seu suor — assim como eu e você — neste chão, nesta calorosa terra. Esse capítulo memorável, talvez um dos mais icônicos nestes 302 anos de história de nossa capital, ocorreu no dia 16 de outubro de 1991. Há exatos 30 anos, aos pés de uma imensa cruz de metal, erguida no bairro Morada do Ouro, aquele senhor que nasceu e cresceu no frio polonês se deparou e enfrentou, com a tradicional fé inabalável e seu carisma próprio, os 42ºC de um sol alpino e umidade baixa durante a solene celebração da Santa Missa.

Debaixo de um toldo simples, amarelo como o sol, o Santo Padre, como sugere o rito católico, fazia uso de todas as vestes litúrgicas previstas: eram seis no total. Limpando o suor do rosto apenas duas vezes, durante a homilia, João Paulo II disse que “não veio [a Cuiabá], como os bandeirantes de outrora ou os garimpeiros de hoje, à procura do ouro”. Ainda durante a fala, antigamente chamada de sermão, o papa lembrou que a cidade é o “coração geográfico da América do Sul”, e veio “para conhecer, abençoar e trazer a palavra ao povo bom desta terra, aos que aqui nasceram ou para aqui vieram, em tão grande número, nos últimos anos. ” 

Infelizmente eu não contemplei, presencialmente, essa cena. Felizmente, apesar de escassas, algumas fotos e vídeos disponíveis na internet eternizam esse momento inesquecível para quem lá esteve; e invejável, no bom sentido da palavra, para quem não pode presenciar. Reportagens da época contam que a celebração reuniu mais de 200 mil pessoas. Mesmo com o esforço concentrado dos homens do Corpo de Bombeiros que, literalmente, jogaram água nos fiéis para amenizar a temperatura, pelo menos mil pessoas desmaiaram no local.

Atualmente, o local se tornou um verdadeiro centro de espiritualidade e segue se reinventando para atender às necessidades dos fiéis e da sociedade. Carregando o nome do seu mais ilustre visitante, e recentemente apelidado de Sesi Papa, desde 2012, o memorial é casa do tradicional Vinde & Vede, retiro de carnaval católico — que costumava, em tempos pré-pandêmicos, reunir mais de 100 mil pessoas durante sua programação. Além disso, a Arquidiocese de Cuiabá tem planos para construir uma nova e ampla igreja no local onde hoje abriga uma capela. As obras já estão sendo realizadas, inclusive.

Já dizia o sábio que “o tempo é o melhor autor”. Assim, três décadas se passaram e o ambiente continua sendo espaço de vida em abundância: desde março é palco da vacinação contra a Covid-19. Eu estava lá na abertura das atividades, e puder ver, ouvir e gravar o vigário geral da Arquidiocese de Cuiabá, padre Deusdédit Monge, na ocasião representando o arcebispo metropolitano, Dom Milton, abençoando os profissionais da saúde que estava e ainda estão trabalhando naquele santo lugar. Durante a oração, o sacerdote destacou, com ênfase, que “a fé e a ciência têm que caminhar juntas”.

Curiosamente, ou melhor, providencialmente, em 1998, o então papa João Paulo II escreveu a encíclica Fides et Ratio (Fé e Razão), que aborda as relações “entre a fé e a razão, que constituem como que as duas asas pelas quais o espírito humano se eleva para a contemplação da verdade.”

Em tempos de negacionismo exacerbado e fazendo memória desta data solene, gostaria que refletíssemos juntos se a realização da vacinação neste lugar é ou não um grande presente divino. Obviamente minha resposta é afirmativa. Mas, e a sua? O que acha? Seria apenas coincidência ou providência?

Se outrora não pude ver o papa em solo cuiabano, até mesmo por questões cronológicas, hoje tenho a graça e oportunidade de frequentar esse local tanto como fiel católico e também como cidadão cuiabano. Mais feliz ainda fiquei quando, na graça de receber a imunização contra a Covid-19, providencialmente, o local de vacinação estabelecido foi o Memorial Papa São João Paulo II.

Neste dia histórico, sigamos com fé e razão para enfrentar os desafios de nossos tempos. São João Paulo II, ilustre visitante de nossa capital, rogai por nós.

Eduardo Cardoso é jornalista em Cuiabá.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Tributação da energia solar: será o fim da novela?
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OPINIÃO

Estratégias de comunicação para 2022

Publicados

em

As luzes de natal são enfáticas; o ano está acabando. O descerramento de mais um ciclo é – invariavelmente – sinônimo de balanço.

E a aproximação de um ano novinho em folha, claro, nos remete às velhas resoluções. Sabe do que estou falando, né?

Aquela velha dieta que não saiu do papel, aquele curso que não deu certo, a mudança de emprego que não chegou, novos hábitos, enfim. É hora de traçar novas metas e objetivos. E você já sabe como vai se posicionar no mercado em 2022?

O desenho de um ano novo cheio de promessas passa, necessariamente, pela boa elaboração de um Plano de Comunicação Estratégica para você, profissional liberal ou empresa.

Essa ferramenta visa, antes de mais nada, definir um roteiro pelo qual, pessoa física ou jurídica, deverá se guiar, buscando refletir em sua imagem pessoal ou corporativa a melhor expressão da comunicação com seu público.

O Plano de Comunicação Estratégica é fundamental para unificar a mensagem de sua marca, tanto aos colaboradores quanto o público-alvo, que conhecerão a personalidade, os valores e os objetivos embutidos no conceito da marca.

Além de permitir planejar os recursos empregados – desde financeiro, materiais à humanos – de forma ordenada e estratégica.

Nele, os objetivos a serem alcançados são claramente estabelecidos, fornecendo uma ordem das tarefas e ações a serem realizadas.

Dentre as vantagens oferecidas pelo Plano estão o ganho de visibilidade, credibilidade e reputação. A máxima de que o produto se vende sozinho não passa de anedota.

Se não houver uma boa história por trás dele, certamente não permanecerá vivo por muito tempo. Sobretudo em tempos digitais, onde os questionamentos surgem de todos os lados, com urgência enorme por respostas.

Se sua empresa ainda não está na internet pelas suas mãos, estará muito em breve pelas mãos de terceiros.

Portanto, escolha cuidar da sua imagem ou da sua empresa. Se não, outros cuidarão dela, se já não estão cuidando.

Lembre-se: 2022 está chegando! E você, já sabe como quer ser visto ou lembrado no ano que vem? Então está na hora de pensar nisso.

Hugo Fernandes é jornalista, especialista em Comunicação Estratégica e Marketing Político.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Você já ouviu falar no “coração de atleta”?
Continue lendo

PODERES

POLÍCIA

GERAL

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA