ÚLTIMAS NOTÍCIAS

FLAVIANO TAQUES

Um marco histórico para a OAB

Publicado em

OPINIÃO [email protected]

As eleições deste ano para todas as 27 seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil, inclusive em Mato Grosso, devem se tornar um marco na advocacia do país.

Pela primeira vez, desde que a instituição foi criada, trará na estrutura de suas chapas que concorrem à presidência, a garantia de representação elevada de mulheres e negros (pretos e pardos).

Esta mudança acompanha uma luta histórica, além de refletir o atual cenário da OAB no Brasil. Atualmente, a entidade tem mais de 1,2 milhão de advogados inscritos e, de acordo com dados divulgados em abril deste ano pelo Conselho Federal, o número de advogadas é de 610.369 e de advogados 610.207.

Este cenário macro já é uma realidade em seccionais, como, por exemplo, Mato Grosso, onde temos mais mulheres inscritas. O mesmo acontece na Bahia, Espírito Santo, Goiás, Rondônia, Rio Grande do Sul, Sergipe e São Paulo.

Porém, mesmo diante deste crescimento contínuo da representação feminina na OAB, a instituição não tem uma advogada presidente das seccionais em nenhum dos 26 estados ou Distrito Federal.

Algo mais relevante ainda é que, ao analisar a história de 90 anos da entidade, só tivemos dez mulheres eleitas presidentes de seccionais em todo país.

A mesma desigualdade é observada ao analisar o número de presidentes pretos ou pardos ao longo da história da Ordem dos Advogados do Brasil.

Porém, com a nova a Resolução 05/2020, que altera o Regulamento Geral do Estatuto da Advocacia e da OAB, agora as chapas eleitorais devem ter 50% de candidaturas de cada gênero obrigatoriamente, tanto para titulares como para suplentes, além de conter, no mínimo, 30% de representantes pretos e pardos. Importante ressaltar que estas mudanças já são aplicadas nas eleições deste ano.

A regra que estabelece as cotas raciais para pretos e pardos, também se estende ao Conselho Federal, e abrange a composição das chapas nas eleições das seccionais, subseções e Caixas de Assistência.

Muito nos orgulha o fato de que em Mato Grosso, as subsecções que hoje estão com eleições em pleno vigor, em muitas delas, a exemplo de Sinop, Cáceres, Lucas do Rio Verde e Agua Boa, temos mulheres encabeçando as disputas de maneira extremamente competitivas, além da seccional com o avanço da campanha da advogada Gisela Cardoso. Este é um movimento que temos visto em todo país.

Essa é uma vitória que deve ser comemorada por todos e não somente pelas partes beneficiadas com este reparo histórico. A advocacia brasileira demonstra, na prática, a aplicação da justiça entre seus maiores defensores.

Todavia, independentemente do resultado da próxima eleição das seccionais em todo país, com certeza já será um grande marco para a história da advocacia. Somando todos os postos, a chapa de seccional em cada Estado apresenta mais de 100 nomes e que, pela primeira vez, deverá obrigatoriamente ser respeitados parâmetros que promovam a equiparação de gênero e raça.

Esperamos realmente que estas mudanças não atinjam apenas os cargos de comissões ou diretoria, mas que tenhamos o orgulho em ver, já em 2022, um maior número de mulheres, pretos e pardos nos cargos de presidente de seccionais e subseções, além de conselheiros e presidentes da Caixa dos Advogados.

Flaviano Taques é advogado e administrador judicial em Mato Grosso.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  A força do povo brasileiro frente a pandemia
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OPINIÃO

Estratégias de comunicação para 2022

Publicados

em

As luzes de natal são enfáticas; o ano está acabando. O descerramento de mais um ciclo é – invariavelmente – sinônimo de balanço.

E a aproximação de um ano novinho em folha, claro, nos remete às velhas resoluções. Sabe do que estou falando, né?

Aquela velha dieta que não saiu do papel, aquele curso que não deu certo, a mudança de emprego que não chegou, novos hábitos, enfim. É hora de traçar novas metas e objetivos. E você já sabe como vai se posicionar no mercado em 2022?

O desenho de um ano novo cheio de promessas passa, necessariamente, pela boa elaboração de um Plano de Comunicação Estratégica para você, profissional liberal ou empresa.

Essa ferramenta visa, antes de mais nada, definir um roteiro pelo qual, pessoa física ou jurídica, deverá se guiar, buscando refletir em sua imagem pessoal ou corporativa a melhor expressão da comunicação com seu público.

O Plano de Comunicação Estratégica é fundamental para unificar a mensagem de sua marca, tanto aos colaboradores quanto o público-alvo, que conhecerão a personalidade, os valores e os objetivos embutidos no conceito da marca.

Além de permitir planejar os recursos empregados – desde financeiro, materiais à humanos – de forma ordenada e estratégica.

Nele, os objetivos a serem alcançados são claramente estabelecidos, fornecendo uma ordem das tarefas e ações a serem realizadas.

Dentre as vantagens oferecidas pelo Plano estão o ganho de visibilidade, credibilidade e reputação. A máxima de que o produto se vende sozinho não passa de anedota.

Se não houver uma boa história por trás dele, certamente não permanecerá vivo por muito tempo. Sobretudo em tempos digitais, onde os questionamentos surgem de todos os lados, com urgência enorme por respostas.

Se sua empresa ainda não está na internet pelas suas mãos, estará muito em breve pelas mãos de terceiros.

Portanto, escolha cuidar da sua imagem ou da sua empresa. Se não, outros cuidarão dela, se já não estão cuidando.

Lembre-se: 2022 está chegando! E você, já sabe como quer ser visto ou lembrado no ano que vem? Então está na hora de pensar nisso.

Hugo Fernandes é jornalista, especialista em Comunicação Estratégica e Marketing Político.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Mato Grosso nos trilhos do progresso
Continue lendo

PODERES

POLÍCIA

GERAL

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA